FITA DE MÖBIUS | Objeto usado por Tony Stark em Ultimato

FITA DE MÖBIUS | Objeto usado por Tony Stark em Ultimato

18 de janeiro de 2022 0 Por A Banca Nerd

Em Ultimato, Tony Stark menciona a Fita de Möbius como uma maneira de viajar pelo tempo para poder pegar as Joias do Infinito em certos momentos da história, mas, o que é a Fita de Möbius?

FITA DE MÖBIUS

Para começarmos, lá em 1858, um matemático e astrônomo alemão chamado August Ferdinand Möbius precisava de um meio de provar sua teoria sobre a orientabilidade (orientabilidade é uma propriedade das superfícies no espaço euclidiano que mede se é possível fazer uma escolha consistente de vetor normal à superfície em cada ponto. … A noção de orientabilidade também pode ser generalizada para variedades de dimensões superiores.), para isso criou um objeto que até hoje segue intrigando especialistas do mundo todo.
Originalmente, esse objeto foi introduzido em 1865 em um artigo intitulado de Über die Bestimmung des Inhaltes eines Polyëders, logo em seguida envidenciou a importância das ilusões geométricas sob um ponto de vista topológico. O objeto consiste em um item com “apenas um lado” em formato de loop, em que, caso o manipulador coloque um dedo no material e siga o caminho sem escapar da face, volta para o ponto inicial após duas voltas completas.

A invenção, que nada mais é do que a junção de duas extremidades de uma tira de papel após sofrer um giro, trata-se de um produto unilateral que é impossível determinar qual é a parte de cima e a de baixo, bem como a de dentro e a de fora.
Segundo os matemáticos, esses são os fundamentos de um “objeto não orientável” que podem muito bem traçar paralelos com os conceitos de tempo e de realidades alternativas, por exemplo, revelando esclarecimentos sobre os padrões cíclicos da vida e a existência de dois lados em uma única superfície visual.

QUAL O SEU IMPACTO?

Além de conseguir colaborar para os estudos de orientação e posicionamento geométrico, a fita de Möbius proporcionou grandes contribuições para a topologia, uma extensão da geometria que serve para designar uma família de conjuntos, dando os primeiros ares ao conceito de continuidade. Os cientistas da área estudam propriedades de objetos que são preservados quando movidos, dobrados, esticados ou torcidos, sem cortar ou colar as partes.

Proposta que surgiu com importantes implicações e gerou novas formas de estudar o mundo natural, ajudando a descobrir mais estados de matérias e a desenvolver a teoria dos números, por meio de observações sobre propriedades envolvendo a divisibilidade e outras características relevantes.