Filmes | Ilha do Medo: Qual a explicação?

Filmes | Ilha do Medo: Qual a explicação?

24 de março de 2022 0 Por A Banca Nerd

Shutter Island ou Ilha do Medo, filme de suspensa psicológico dirigido por Martin Scorsese e lançado em 2010. Sendo baseado num romance com o mesmo nome, publicado em 2003 por Dennis Lehane.

No filme vemos Teddy Daniels (Di Caprio), um agente federal que precisa investigar Aschecliffe, uma prisão psiquiátrica escondida numa ilha remota. Teddy e seu novo parceiro, Chuck (Mark Ruffalo), são chamados ao local quando uma das pacientes, Rachel Solando, desaparece sem deixar qualquer tipo de rastro.

Deste ponto em diante, o protagonista vai descobrindo os segredos da ilha, ao mesmpo tempo que é confrontado com suas próprias memórias traumáticas.

Teorias sobre a última cena

Lembrado pela cena que encerra o longa, Ilha do Medo subverte as nossas expectativas em vários momentos do filme. O plot twits do enredo surge quando percebemos que o protagonista não é Teddy Daniels, o agente federal que está ali para investigar o local, mas sim, Andred Laeddis, paciente internado há mais de dois anos, depois de ter assassinado sua esposa. Engolido pela culpa, acaba inventando um alter-ego para justificar a sua presença no local. Assim, o filme de mistério se converte numa história dramática, fazendo o telespectador lamentar pelo destino de Andrew.

Após confrontá-lo com a verdade, os médicos falam que estão sendo pressionados pelo diretor. Ele precisa “despertar” e assumir sua identidade, caso contrário será submetido a uma lobotomia no dia seguinte.

A conversa parece surtir efeito, mas pela manhã Andrew está agindo como se fosse o policial. Quando Dr. Sheehaan, o médico que ele pensava ser Chuck, senta do seu lado, o protagonista começa a falar do caso que está desvendando.

É aí que o psiquiatra dá sinal aos seus colegas, avisando que o tratamento não funcionou. As palavras do protagonista antes de ser levado parecem suscitar dúvidas no médico, assim como nos espectadores.

O que é melhor: viver como um monstro ou morrer como um homem bom?

Final em aberto

Esse final acabou gerando teorias entre o público e os críticos do filme: O tratamento falhou mesmo? Ou Andrew está curado, mas escolheu continuar encarnando Edward? A frase dita pelo protagonista demonstra uma grande consciência, mas também, pode se tratar de apenas mais uma alucinação, causando uma certa desconfiança.

Podemos acreditar que ele se lembrava de tudo, mas decidiu permanecer na fantasia. Sabendo que não tinha como fugir de seus atos e teria que “viver como um monstro”, parece escolher o processo que irá comprometer suas capacidades mentais para sempre.

A roteirista, Laeta Kalogridis, partilhou sua opinião em uma entrevista. Na interpretação dela, Andrew não terá planejado nada; foi apenas um segundo de sanidade que desapareceu logo depois.

Interpretação e Significado

As reviravoltas nos levam a questionar. Inicialmente, acreditamos que a narrativa irá denunciar as condições desumanas de abandono vividas em alguns hospitais psiquiátricos.

No entanto, mais tarde, envolvidos numa teoria da conspiração, começamos a pensar que os pacientes estão sendo submetidos a experiências financiadas pelo governo. Porém, todo o mistério é resultado das alucinações de Andrew, que criou uma vida alternativa para se proteger da verdade trágica.

Aos poucos vamos descobrindo os fatos ao mesmo tempo que o protagonista, ou seja, acabamos dependendo da sua percepção de um homem doente. Deste modo, a trama surpreende até ao final, focando nas mentiras que ciramos para nós mesmos e mostrando os labirintos de uma mente em total negação.

O filme termina com o processo de lobotomia, um tipo de cirurgia cerebral que hoje é considerado um ato bárbaro, mas foi muito usado durante as décadas de 40 e 50, principalmente nos Estados Unidos. Este desenlace mostra como os pacientes que passavam pelo processo encontravam uma espécie de “morte em vida”, deslizando para um esquecimento absoluto.

Qual a conclusão?

No final, Andrew finalmente sai da ilusão que havia criado, e volta a ser quem era. O veterano de guerra condecorado e delirante de nome Andrew Laeddis, que havia perdido os seus filhos após a sua esposa os afogar na lagoa e perdido a própria, após ele mesmo a matar, após esse trágico ocorrido.

Ilha do Medo é aquele filme que precisa ser assistido várias vezes para poder entender um pouco da sua trama, diversas reviravoltas e conspirações fazem com que o telespectador fique em dúvida sobre aquilo que está acontecendo.